A população da cidade de Curitiba (PR) ganhou nesta quinta-feira (29), o Hospital do Idoso – Zilda Arns. O espaço, considerado o maior e mais moderno voltado para esse público no país, será transformado em um grande observatório nacional de saúde do idoso, anunciou o Secretário de Atenção à Saúde do Ministério da Saúde, Helvécio Magalhães, durante a solenidade. “A partir de um termo de cooperação com a prefeitura e o governo do Estado, esse hospital se tornará uma grande base para a retomada da Política Nacional de Atenção ao Idoso, além de outros movimentos que o ministério apóia aqui na rede de urgência”, anunciou o secretário.

O governo federal investiu R$ 15,3 milhões na nova unidade. O hospital é especializado em geriatria, gerontologia e clínica médica, e conta com 141 leitos e capacidade para atender cerca de 50 mil idosos e realizar dez mil internações por ano. “O Hospital do Idoso será uma base de retaguarda da rede de urgência financiada pelo ministério. Será um grande observatório e poderá ter sua experiência multiplicada. O programa Saúde em Casa de Curitiba – serviço oferecido pelo novo hospital de acompanhamento domiciliar – também terá apoio do ministério”, afirmou o secretário Helvécio Magalhães.

Tambémparticiparam da solenidade de inauguração, o governador do Paraná, Beto Richa, e o prefeito da capital, Luciano Ducci. “Este hospital é o resultado da boa parceria das esferas federal, estadual e municipal, e quem sai ganhando é a população, que hoje tem expectativa de vida de 80 anos, e a cidade, que hoje comemora 319 anos”, ressaltou o governador Beto Richa.

O novo hospital tem como meta ser reconhecido nacional e internacionalmente até 2016, como principal referência na atenção à saúde do idoso. Sua proposta de trabalho está em consonância com a Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa (PNSPI), do Ministério da Saúde. A política busca oferecer a esse público, atendimento integral no Sistema Único de Saúde (SUS), com ênfase no envelhecimento saudável e ativo, e na prevenção e controle das doenças crônicas não transmissíveis, como diabetes e doenças cardiovasculares.

Atualmente, o Brasil apresenta um contingente de aproximadamente 20 milhões de idosos (pessoas com idade igual ou superior a 60 anos). A capital de Curitiba tem pouco mais de 190 mil idosos, representando 10,4% da população total local.

O Hospital do Idoso tem 9.520 metros quadrados de área construída, onde estão instalados 141 leitos, sendo 20 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI), dois centros cirúrgicos, enfermarias, consultórios, áreas de emergência, unidades de cuidados intermediários (UCI) e isolamento, salas de fisioterapia, farmácia, entre outras áreas.  O hospital conta ainda com equipe de 1.259 profissionais.

Um dos serviços de destaque é a central de imagem para apoio de diagnóstico, por meio de tomografia computadorizada, radiologia, ecografia, colonoscopia e a endoscopia. O hospital conta ainda com o Sistema de Gestão de Imagens Médicas (PACS). O mecanismo permite digitalizar, armazenar e transmitir imagens geradas em qualquer equipamento de diagnóstico. Seus diferentes módulos possibilitam ainda, a comparação de laudos, e a reconstrução de imagens em duas ou três dimensões (2D ou 3D).

LAUDOS -Os exames realizados serão disponibilizados em uma central de laudos, que estará interligada às estações de diagnósticos de outros seis Centros Municipais de Urgências Médicas (CMUNs), das localidades de Fazendinha, Boqueirão, Boa Vista, Sítio Cercado, CIC e Cajuru.

A integração de informações permitirá reunir, em um único servidor, cerca de 300 mil exames ao ano realizados nos CMUNs. Com isso, será possível cruzar dados de pacientes, acessar o histórico de exames realizados e, assim, agilizar o atendimento das pessoas que buscam o Sistema Único de Saúde (SUS) no município.

ZILDA ARNS NEUMAN – O Hospital do Idoso leva o nomede Zilda, médica especializada em pediatria e sanitarista. Criadora das pastorais da Criança e da Pessoa Idosa, ela foi indicada ao prêmio Nobel da Paz em 2006 e recebeu, entre outros reconhecimentos, o título internacional ‘Heroína da Saúde Pública das Américas’, concedido pela Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS).  Zilda Arns morreu no dia 12 de janeiro de 2010, vítima do terremoto que atingiu o Haiti.

Fonte: Portal da Saúde